Notícias

Vítor Lopes e Tomás Melo Gouveia continuam em prova no Challenge Tour

Aquando dessa interrupção, os portugueses estavam com apenas cinco ou seis buracos concluídos. Foi possível recomeçar a volta, mas a jornada voltou a ser interrompida, às 21h30 locais (20h30 em Portugal Continental), por falta de luz natural. Nessa altura destacava-se Pedro Lencart, que com um resultado de 6 pancadas abaixo do PAR estava colocado na terceira posição da tabela classificativa, com 17 buracos jogados.

Bons resultados ontem também para Vítor Lopes, com -3 (17 buracos completados), e Tomás Melo Gouveia, com duas abaixo após 16 buracos.

O único que já tinha concluído a volta inicial era Pedro Figueiredo, que fez 75 pancadas (+4). Quanto a João Girão, estava com +1 após 15 buracos.

No princípio da manhã de hoje concluiu-se a volta inicial, com Pedro Lencart a fazer “bogey” no único buraco que ainda lhe faltava e a descer para a quinta posição, com 66 pancadas.

Vítor Lopes, por seu turno, fez mais um “birdie” e ascendeu à 14ª posição, com 67 pancadas (-4), enquanto Tomás Melo Gouveia também melhorou a sua posição na tabela, com um “birdie” no 18 – fez 68 pancadas (-3). Quanto a João Girão – que, juntamente com Vítor Lopes e Pedro Lencart está presente na República Checa a convite da FPG, no âmbito dos protocolos assinados no Open de Portugal -, acabou por fazer “bogey” no derradeiro buraco (o 9), entregando um cartão com73 pancadas (+2), que o deixou entre os 106ºs.

A segunda volta foi bem diferente, com o destaque a pertencer a Vítor Londot Lopes, que está em excecional momento de forma, registando já duas vitórias este mês – no 3º Torneio do Circuito FPG, realizado no Boavista Golf, e na primeira edição do Amarante Golf Open. Lopes voltou a realizar uma volta abaixo do PAR do campo, marcando 69 pancadas, após “birdies” nos buracos 1, 5 e 9 e um único “bogey”, no 17. Passou assim a ter um agregado de 136 pancadas (-6) e alcandorou-se à 11ª posição da tabela, empatado com quatro jogadores.

Também Tomás Melo Gouveio passou o “cut” com à-vontade, juntando às 68 pancadas da volta inicial um cartão com “PAR” do campo. Com 139 pancadas (-3), parte para as jornadas decisivas na 34ª posição.

Todavia, a melhor segunda volta entre os representantes nacionais foi a de Pedro Figueiredo, com 67 pancadas – quatro abaixo do PAR e menos oito “shots” do que tinha registado na volta inicial. “Figgy” começou pelo buraco 10 e nos “Back Nine” registou dois “birdies”, nos buracos 13 e 15. Nos “Front Nine” ganhou uma pancada ao campo em mais quatro buracos (1, 4, 6 e 7), mas também marcou “bogeys” em duas ocasiões, no 3 e no 5.

Este esforço de recuperação acabou por ser debalde, já que acabou por falhar o “cut” de 141 pancadas (-1) pela diferença mínima. O mesmo aconteceu a Pedro Lencart, que teve um dia para esquecer – além do “bogey” no buraco que lhe faltava para concluir a volta inicial, fez uma segunda volta em 76 pancadas (+5), com dois “birdies” e sete “bogeys”.

Quanto a João Girão, somou hoje 76 pancadas, para um agregado de 149 (+7).

A prova é liderada pelo dinamarquês Martin Simonsen, com 129 pancadas (64+65, -13), estando o alemão Freddy Schott na segunda posição, com mais uma pancada (66+64, -12).

 

Gabinete de Imprensa da Federação Portuguesa de Golfe

Miraflores, 17 de junho de 2022

Fotografia © Vítor Lopes