SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO

Introdução

Na classificação dos campos de golfe pela Federação Portuguesa de Golfe é utilizado o método da “United States Golf Association - USGA”, o qual é um dos pilares do Sistema de Handicap EGA.

Segundo aquele método, é avaliada a dificuldade do campo e, especificamente, de cada conjunto de tees, para o jogador Scratch (de handicap 0) e para o jogador Bogey (jogador de handicap aproximadamente de 20 para Homens e 24 para Senhoras), em condições normais de jogo, com base no comprimento efectivo de jogo e nos obstáculos que afectam a dificuldade do campo.

Daí resulta o cálculo do:
  • Course Rating: dificuldade do campo para jogadores Scratch;
  • Slope Rating: dificuldade relativa do campo para jogadores que não são Scratch, em comparação com o Course Rating.

Quanto maior for a diferença calculada entre a dificuldade para os jogadores Scratch e para os jogadores Bogey, mais alto será o valor do Slope Rating e vice-versa.

Metodologia

A metodologia altamente parametrizada do sistema de classificação de campos dá aos avaliadores limitada margem de subjectividade na apreciação. Este aspecto proporciona elevada consistência às classificações dos campos conferindo uma maior fidedignidade ao handicap de jogo.

A classificação de um campo permite que aí sejam jogadas voltas válidas para efeitos da gestão de handicap, tendo a validade de 3 anos nos primeiros 10 anos de existência de um campo, passando depois a ser válida para períodos de 10 anos.

O valor de handicap, que reflecte a habilidade do praticante, aliado à dificuldade do campo jogado, fazem com que a componente competitiva seja mais justa, mantendo o verdadeiro sentido de Fair Play no Golfe.