Notícias

Campeonato Nacional de Clubes Seniores – Aroeira e Estoril tricampeões nacionais

Numa edição em que foi batido, pelo segundo ano seguido, um novo recorde de equipas participantes (22) – e convém recordar que eram 9 equipas na primeira edição, em 2013, e foram 20 em 2018 –, Vale de Janelas (Praia D’el Rey, Óbidos) veio de trás para suceder a Tróia como vice-campeão.

Em senhoras, também o Estoril, alinhando com Paula Saúde, Graça Medina e Patrícia Ricciardi, venceu pela terceira vez seguida, somando assim vitórias nas três edições realizadas na prova feminina (na primeira, em 2017, havia sido com a sua equipa B).

Numa modalidade de jogo em duas voltas de stroke play, contando diariamente os três melhores resultados individuais de cada quarteto, a Aroeira era 2.ª após a jornada de sábado, com 239 pancadas (+23), com a desvantagem mínima para o Clube de Golfe da Ilha Terceira, campeão em 2014.

No domingo precisou de mais quatro pancadas (243), mas isso não a impediu de subir ao primeiro lugar, com um total de 482 (+50).

“Este ano tem sido um ano bom para a Aroeira, pois já tínhamos sido vice-campeões de clubes mid-amateurs, algo que não conseguíamos há 25 anos”, afirmou o capitão da Aroeira, José Delgado.

“É um orgulho pormos a Aroeira a ser mais falada, mas o mais provável é que no próximo ano a nossa equipa de seniores sofra alterações. A concorrência neste campeonato é cada vez maior e mais forte e temos outros valores. Nós os quatro só queríamos jogar juntos mais uma vez para tentar alcançar o tricampeonato, daqui para frente logo se verá”, acrescentou.

Vale de Janelas registou na segunda volta, com 241 (+25), o melhor resultado coletivo do dia para subir do 6.º ao 2.º lugar, somando 485 (+53), tantas como o CG Ilha Terceira (238-247), campeão em 2014. No desempate pelo título de vice-campeão nacional de clubes seniores, prevaleceu o quarto melhor resultado, aquele que em circunstâncias normais ficaria de fora: o 85 de Alan Westhead face ao 87 do açoriano Brás Linhares.

E os vice-campeões são, além de Alan Westhead, Gonçalo Mota Carmo, Paulo Araújo e Martin Playell. Pela Ilha Terceira, além de Brás Linhares, jogaram Hildeberto Rocha, José Luís Garcia e José Henrique Cardoso.

O CG Benfica foi quarto com 486 (240-246) e Belas 5.º com 488 (242-246).

A nível individual oficioso, o melhor foi Gonçalo Xavier (Benfica), com 151 (77-74), +7. José Luís Garcia (Terceira) foi segundo com 153 (76-77) e Sérgio Pereira (Aroeira) terceiro com 155 (77-78).

Na prova feminina, apenas na sua terceira edição, com equipas de três jogadoras (contavam dois resultados), o Estoril voltou a sair vencedor (na primeira edição, em 2017, foi-o com a sua equipa B). Houve cinco equipas em prova, um novo máximo.

Somando 346 pancadas (172-174), 58 acima do Par, o Estoril deixou as vice-campeãs da Associação Nacional de Seniores de Golfe de Portugal (354, 180-174), a oito pancadas de distância. O Orizonte Golfe foi terceiro com 375 (185-190).

O trio estorilista jogou com Paula Saúde, Patrícia Ricciardi e Graça Medina. A ANSGP evoluiu com Fabienne Vaquier, Sonja Adler e Isabel Guedes.

Marta Lampreia (Orizonte) foi a primeira classificada a nível individual, com 165 (83-82), +21, e Fabienne Vaquier a segunda com 169 (89-80).+25. As campeãs do Estoril ocuparam os três lugares seguintes – Graça Medina com 173 (+29), Paula Saúde com 174 (+30) e Patricia Ricciardi com 180 (+36).

Fotografia: Os clubes campeões e vice-campeões nacionais. À esquerda na imagem, a equipa da Aroeira; ao centro, o Estoril; à direita, à frente, a ANSGP; atrás, Vale de Janelas (falta Paulo Araújo) © Filipe Guerra/GolfTattoo/FPG

Gabinete de Imprensa da FPG

Lisboa, 17 de junho 2019