Notícias

Aphrodite Hills Cyprus Open – Ricardo Santos de hole-in-one faz top-35 no Open do Chipre

Foi uma boa semana de três cartões abaixo do Par e outro a Par, que valeu-lhe um prémio de 6.639,11 euros e a subida ao 201.º lugar na Corrida para o Dubai, um progresso de 16 posições em relação à classificação que ocupava depois de falhar o cut no Open de Itália na semana anterior.

Esse não foi, contudo, o único prémio de Ricardo Santos no Aphrodite Hills Cyprus Open, um torneio de um milhão de euros em prémios monetários.

Com efeito, recebeu ainda um ‘voucher’ de alojamento para cinco noites, no regime de tudo incluído, no Aphrodite Hills Hotel by Atlantica, por ter entrado na história deste empreendimento turístico.

Tratou-se do primeiro hole-in-one do campo, logo no mais icónico de todos os buracos desenhados por Cabell Robinson – o 7, um Par-3 de 95 metros, junto a uma deslumbrante ravina – e foi arrancado com um wedge de 56°.

«Este foi o meu terceiro hole-in-one de carreira. Foram os três em competição e sempre no European Tour: O primeiro foi na China (Volvo China Open de 2012), o segundo em Celtic Manor (Open do País de Gales em 2013) e o terceiro aqui», disse Ricardo Santos ao Gabinete de Imprensa da Federação Portuguesa de Golfe.

Com dois Eagles (incluindo o ás), quatro birdies, um bogey e um duplo-bogey, o português de 38 anos assinou um cartão de 66 pancadas, 5 abaixo do Par, a sua melhor volta no European Tour desde a volta de 67 (-5) com que concluiu o Open de Portugal at Royal Óbidos.

Curiosamente, o Open do Chipre tinha começado com outra volta de 66 (-5), mas da autoria de Pedro Figueiredo, guindando-o ao 8.º lugar do ‘leaderboard’. Foi igualmente a melhor volta de ‘Figgy’ no European Tour desde a de 65 (-7) em Óbidos e fê-lo logo esquecer o cut falhado no Open de Itália na semana anterior.

Em Chipre seguiram-se voltas de 72, 70 e 70 para o português de 29 anos, fazendo-o tombar para o grupo dos 53.º classificados em que terminou a prova, com um agregado de 278 (-6). Mesmo assim, o suficiente para ascender 2 lugares na Corrida para o Dubai, para 198.º, e embolsar um prémio de 3.270,38 euros.

O Aphrodite Hills Cyprus Open foi ganho pelo inglês Callum Shinkwin (67+66+68+63), que conquistou o seu primeiro título do European Tour aos 27 anos, ao bater no ‘play-off’ o finlandês Kalle Samooja (70+66+64+64), graças a um birdie no buraco 18, depois de terem terminado empatados com 264 pancadas, 20 abaixo do Par.

Um final de loucos com Callum Shinkwin a fazer birdie no 17 e eagle no 18 para empatar e mais um birdie no 18 para vencer. Uma compensação pelo ‘play-off’ perdido no Open da Escócia de 2018 para Rafa Cabrera Bello.

O Open do Chipre contou com 105 participantes, 68 passaram o cut e o Aphrodite Hills Resort irá receber já na próxima semana mais uma etapa do European Tour, o Aphrodite Hills Cyprus Showdown, de novo com um milhão de euros em prémios monetários. Ricardo Santos e Pedro Figueiredo voltarão a estar presentes.

Será o último torneio europeu do European Tour de 2020. Depois disso o circuito viajará para os Estados Unidos (The Masters Tournament) e a África do Sul, antes de se concluir no Dubai.

 

Gabinete de Imprensa da Federação Portuguesa de Golfe

Miraflores, 1 de novembro de 2020

Fotografia © The Cyprus Open