Qual a previsão atualizada de entrada em vigor do Sistema de Handicap Mundial, em Portugal?

Continua-se a prever a entrada em vigor do Sistema de Handicap Mundial, em Portugal, durante o Verão de 2020.

Durante os últimos meses, os trabalhos de preparação continuaram em franco desenvolvimento. A previsão da entrada em vigor oficial, aponta atualmente para a segunda quinzena de agosto.

Foram necessários alguns reajustes às fases e formas de operacionalização do planeamento da transição, cujas etapas incluem:

-Finalização do desenvolvimento e testes de software

-Tradução das Regras de Handicap e publicação dos Procedimentos das Regras de Handicap em Portugal – Apêndice P

-Preparação de materiais digitais complementares

-Agendamento das ações de formação para Clubes e Membros Institucionais e realização em formato digital

– Comunicação e divulgação de conteúdos didáticos

– Início da visualização dos registos de handicap WHS às Comissões de Handicap e aos jogadores

– Testes de software simultâneos e esclarecimento de dúvidas

-Distribuição das Tabelas de Handicap aos Campos de Golfe

– Entrada em vigor das Regras de Handicap do Sistema de Handicap Mundial

A Federação Portuguesa de Golfe irá dar continuidade à comunicação sobre o planeamento da implementação.

Quais os objetivos e princípios gerais do WHS?

O WHS irá unificar os seis sistemas de handicap atualmente existentes no mundo, num único sistema de handicap.

O projeto é promovido pelo R&A e pela USGA, com a colaboração da EGA e das restantes 5 autoridades de handicap (Golf Australia, CONGU, SAGA, AAG e USGA). A FPG tem apoiado e contribuído diretamente para o desenvolvimento do projeto do WHS.

Os elementos do Sistema de Handicap Mundial foram desenvolvidos para promover, no golfe, os seguintes princípios orientadores e o sistema ser:

Inclusivo e Acessível: que dá as boas vindas a jogadores de diferentes origens;

Consistente e Portátil: justo e robusto, que receba a confiança de todos, com conceitos claros, e permita fomentar a consistência e portabilidade dos handicaps;

Moderno e Adaptável: adequado às condicionantes da sociedade moderna e adaptável a diferentes culturas de golfe e diferentes perfis de jogadores.

O que significarão as novas Regras de Handicap para os jogadores FPG?

Continuar a jogar e a apreciar a modalidade
Do ponto de vista da utilização do handicap no novo sistema, os jogadores federados na FPG continuarão a ter um handicap e deverão continuar a jogar, a apreciar o seu jogo, e a submeter os resultados. Todos os demais parâmetros regulamentares, para além do sistema de cálculo, mantêm-se em vigor.

Handicap de Jogo
O handicap de jogo será baseado no campo, tees e formato de jogo. Isto poderá incluir também a aplicação de percentagens de handicap, tendo em consideração o formato de jogo e os Termos da Competição, com vista à equidade.

Submeter o resultado
Cada cartão de jogo deve ser submetido assim que possível, preferencialmente até ao fim do dia, para sua inclusão nos cálculos diários.

Cálculo de Handicap
A fórmula de cálculo do handicap será única, baseada na média da melhor parte dos resultados mais recentes e com mecanismos automatizados complementares. Todos os cálculos são efetuados digitalmente no Servidor Central da Federação Portuguesa de Golfe. Mantém-se também a estrutura de autoridade de handicap delegada aos clubes filiados e acompanhamento pelas Comissões de Handicap.

Quais os principais elementos do WHS?

Alguns dos elementos a destacar, tendo em conta a implementação em Portugal, são:

Cálculo de Handicap

A base principal de cálculo é a média dos 8 melhores resultados, das últimas 20 voltas elegíveis para handicap. Além disso, o sistema inclui mecanismos automatizados de controlo adicional. São estes os Limitadores (Limitador Atenuante e Limitador Máximo) que travam e impedem as subidas excessivas de handicap. E o ajuste por Resultado Excecional que aplica uma descida adicional de handicap.

Este sistema procura o equilíbrio entre melhor acompanhar a evolução da performance de jogo do jogador e manter a memória da habilidade demonstrada. 

Deixam assim de existir categorias de handicap, para efeitos de sistema de handicap. Também deixam de ser identificados estados automáticos de handicap, no que diz respeito ao número de resultados dentro de um período de tempo.

 

Resultados Aceitáveis para Handicap

São aceites para handicap os formatos de jogo por pancadas individual, em competição organizada e em jogo em geral, incluindo Stableford, Par/Bogey e Resultado Máximo.

São incluídas voltas de 9 e 18 buracos. Poderão ser considerados aceitáveis para handicap resultados entre 10 e 17 buracos. 

É promovida a submissão de resultados para handicap, para proporcionar evidências sobre a habilidade demonstrada.  Todos os resultados continuam a ter de ser certificados por um marcador, e as voltas de jogo em geral continuam a ter o requisito do pré-registo.

 

Classificação de Campos

O Sistema de Classificação de Campos continuará a ser utilizado, como parte do WHS, para aferir a classificação dos percursos, e permitir a portabilidade do handicap do jogador, de campo para campo. Estarão disponíveis Tabelas de Handicap de 9 e 18 buracos, abrangendo handicaps até 54,0.

Ao Índice de Handicap (do jogador) corresponde um Handicap de Campo (100%), para cada conjunto de tees. Além disso, ao Handicap de Jogo pode ser aplicada uma percentagem de handicap, conforme o formato de jogo e os Termos da Competição. Por exemplo, a percentagem de handicap recomendada pelas Regras de Handicap para competições individuais Stableford é de 95%. Esta recomendação aplica-se a eventos de dimensão média, com 30 ou mais jogadores.

 

Condições de Jogo

Continua a ser contemplada uma funcionalidade estatística para considerar o impacto das condições anormais de jogo, nomeadamente de campo e meteorológicas, que será designado de PCC, calculado no final do dia.

 

Atualização Diária

Os handicaps são atualizados ao final de cada dia, pelo que os cartões devem ser submetidos pelos jogadores e pelas comissões técnicas até ao fim do dia, de maneira a serem incluídos nos respetivos cálculos diários.

Isto significa que, de uma forma geral, um jogador terá o mesmo handicap durante todo o dia. Os resultados submetidos no dia, de torneios ou jogados em jogo geral, são integrados e calculados no final do dia. Poderão ser efetuadas correções pontuais pelas Comissões de Handicap durante o dia, ou nos dias seguintes.

Em relação às competições, com várias voltas jogadas em dias consecutivos, será mais comum que o Índice de Handicap permaneça inalterado ao longo da duração da competição. Isto, para facilitar a gestão da competição e também porque os cálculos do Índice de Handicap acompanham a evolução da habilidade demonstrada pelos últimos 20 resultados. Também aqui as Comissões Técnicas podem, através dos Termos da Competição, estabelecer condições específicas.

 

Resultado Diferencial no Registo de Handicap

Para efeitos de registo de handicap os valores são visualizados em formato de Resultado Diferencial. Por exemplo, 6,2, 18,5 ou 42,1. Estes valores, calculados pelo sistema informático, representam “para que handicap” o jogador jogou naquela volta específica, considerando a dificuldade dos tees jogados.

Continua-se a considerar para efeitos de handicap, como resultado máximo por buraco, o duplo bogey net, ou seja, o mínimo número de pancadas equivalente a “0” pontos Stableford.

 

Obtenção de Handicap

Para que o sistema seja inclusivo, continua a ser possível à Comissão de Handicap atribuir um handicap inicial após a submissão do mínimo de um resultado aceitável para handicap, com um valor máximo de handicap de 54,0. Também se mantém o regime simplificado e sem subidas automáticas para handicaps entre 36,0 e 54,0.

 

Comissão de Handicap

São identificadas as funções da Comissão de Handicap do Clube, quanto à administração do sistema, e às responsabilidades de educar e informar internamente sobre o Sistema de Handicap, monitorizar e fazer cumprir os regulamentos de handicap e atribuir, rever e ajustar handicaps.

É promovida a cooperação entre entidades e Comissões para o adequado funcionamento dos vários elementos do Sistema de Handicap Mundial.

São indicados os direitos e responsabilidades específicas das Comissões Técnicas encarregues de uma Competição, no âmbito dos Termos da Competição, no que concerne a handicaps.

São clarificadas as responsabilidades do Sistema de Handicap Mundial para os Campos de Golfe, no âmbito do Sistema de Classificação de Campos.

Além disso, a Comissão de Handicap e CR da FPG salvaguarda ainda o acompanhamento aos jogadores de handicap muito baixo.  

Como se preparar para a entrega em vigor do Sistema de Handicap Mundial?

Jogadores
Os jogadores devem apenas continuar a jogar e apreciar as suas voltas de golfe. Para além disso, os jogadores são encorajados a submeter resultados válidos para handicap, para terem mais resultados disponíveis no seu registo de handicap que reflitam a sua performance de jogo. Devem manter-se informados ao nível dos princípios gerais do novo sistema, mas não necessitam saber os detalhes ou fazer preparativos de cálculos.

Comissões de Handicap
As Comissões de Handicap devem manter-se especialmente informadas e sintonizadas com a campanha de sensibilização, atentas aos futuros timings de formação e ao plano de implementação, e, além disso, disponíveis para acompanhar os seus praticantes e demais órgãos e comissões do seu Clube no processo de mudança. Devem assegurar que todos os resultados válidos para handicap dos seus jogadores são atempada e devidamente registados.

Comissões Técnicas das Competições
As Comissões Técnicas devem manter-se informadas, sintonizadas com a campanha de sensibilização e coordenadas com as Comissões de Handicap. Devem ainda ficar atentas a possíveis necessidades de alterações nos Termos de Competição, nomeadamente no que concerne à terminologia.

Campos de Golfe
Os Campos de Golfe devem manter-se informados, sintonizadas com a campanha de sensibilização e atentos ao plano de implementação. Podem contar com uma atualização das Tabelas de Handicap. Deverão ainda equacionar questões de terminologia e, de uma forma geral, considerar o plano de implementação na sua calendarização de produção de cartões.

Como decorrerá a transição?

A transição será calculada pelo sistema central de handicap da FPG, com base no registo de handicap dos jogadores. Planeia-se que o handicap atualizado para WHS esteja disponível para análise da Comissão de Handicap do jogador e depois para consulta pelo próprio, antes da entrada em vigor. Os registos de handicap WHS ficarão disponíveis para visualização antecipada através da nova Área do Clube e do myFPG. 

Os resultados aceitáveis para handicap serão recalculados como Resultados Diferenciais.

Todos os jogadores federados na FPG, em 2020, e com Handicap EGA atribuído, irão receber um Índice de Handicap do Sistema de Handicap Mundial. Para uma transição mais completa, incluindo as ferramentas de controlo do próprio Sistema de Handicap Mundial, preparar-se-á uma transição com recálculos do Índice de Handicap a partir de 2018, e no caso de alguns jogadores, com resultados que podem ir até 2010.

O que acontece ao handicap dos jogadores que também são federados noutro país?

A transição será calculada pelo sistema central de handicap da FPG para todos os jogadores.

No caso dos jogadores filiados na FPG, mas também numa jurisdição diferente, após a entrada em vigor do Sistema de Handicap Mundial, será requerido que entreguem também em Portugal, os seus resultados aceitáveis. Os jogadores podem fazê-lo continuando a submeter um registo de handicap do estrangeiro ao seu Clube de Filiação em Portugal. A Comissão de Handicap fará o escrutínio e atualização do registo de handicap português, com integração dos resultados de forma condensada.  

O Índice de Handicap do Sistema de Handicap Mundial, registado no sistema informático central de handicaps da FPG, e atualizado com os resultados aceitáveis e ajustes aplicáveis, será o utilizado em Portugal.

Desta maneira, os registos de handicap incluem toda a informação sobre a habilidade demonstrada do jogador. Além disso, mantém-se o controlo e acompanhamento do Índice de Handicap pela Comissão de Handicap do Clube de Filiação em Portugal e é acautelada a integração com os demais regulamentos nacionais.

Qual a posição da FPG em relação ao WHS?

A FPG apoiou e contribuiu diretamente para o projeto do WHS, desde o seu início, nomeadamente através de representação na comissão internacional de handicaps, aquando da construção do novo sistema.  

Este projeto, que reúne a mais avançada investigação sobre a temática dos handicaps, enquadra-se numa visão de inovação e modernidade para o golfe, promovendo oportunidades para trazer todos os intervenientes, clubes, jogadores e agentes para mais próximo da modalidade e, aproximá-los entre si.  

Ana Gabin, Diretora de Handicaps e Course Rating da FPG transmite os objetivos do projeto: “O WHS pretende ser um sistema inclusivo que dá as boas vindas a jogadores de diferentes origens e perfis – um sistema que seja justo, robusto e que receba a confiança de todos e ainda que possa ser compreendido, com conceitos claros.”

02/06/2020